Negócios

Maven começa a aceitar pagamento em bitcoin

Anúncio foi feito em painel sobre Blockchain durante 12º Congresso de Inovação do Poder Judiciário


Durante o painel sobre blockchain no 12º Congresso de Inovação do Poder Judiciário, a CEO da Maven, Aline Deparis, anunciou que a empresa vai aceitar pagamento em Bitcoin e Ether. A novidade faz parte de um pacote de soluções em blockchain que a empresa gaúcha está iniciando. A mesa-redonda foi uma parceria promovida entre a Maven e o Grupo E-sales.

Para a CEO da Maven, é preciso estar de olho em novas tecnologias e novas formas para atrair o cliente. "Estamos vivendo em uma era de mudanças sem precedentes, e constantemente estamos desafiando formas de consumo e vida que foram implementadas ao longo de décadas. Hoje seguimos mantendo o nosso DNA inovador, participando ativamente das mudanças e dando ao nosso mercado mais uma opção mundialmente conhecida para consumo", disse Aline.

O debate ainda contou com a presença da Diretora de Desenvolvimento de Produtos da UNITEC Semicondutores, Edelweis Ritt, que é especialista nessa tecnologia. De acordo com Edelweis, no início as empresas tinham muita desconfiança do bitcoin, mas agora isso está mudando. "No início o pessoal tinha muito medo por causa de um ataque hacker, isso causou uma certa insegurança em relação ao bitcoin. Toda nova tecnologia possui um certo nível de desconfiança no início. Hoje, as empresas superaram essa desconfiança e entendem melhor o potencial da tecnologia por trás do bitcoin. E é justamente essa tecnologia de registro e consenso distribuído que tanto interessa as empresas porque pode ser usada em diversas aplicações além do financeiro, como registro de licitações, de pessoas, seguros e entre outros," relata Edelweis.

Bitcoin e Ether são as moedas digitais mais populares na atualidade. A Bitcoin foi criada em 2008 e foi a primeira a utilizar tecnologia. Já o ether surgiu em 2014 e possui características semelhantes ao Bitcoin, contudo só ganhou popularidade em 2016 quando a sua cotação subiu mais de 4000% em seis meses. A grande diferença entre as moedas é que o ether possui uma plataforma chamada Etherium de smart contracts que permite agregar mais inteligência de negócio nas transações e não apenas financeiras.

Ambas as moedas utilizam a tecnologia blockchain, que protege os dados das transações através de um algoritmo matemático inviabilizando qualquer tipo de fraude. Essas transações são reunidas em blocos e ligadas a outros blocos, por isso o nome blockchain (cadeia de blocos).

No evento ainda foram distribuídas 8 carteiras de bitcoins com o valor de R$ 100,00 cada entre os participantes. A ação tem como objetivo incentivar a aceitação e uso comercial dessa criptomoeda e também mostrar como é fácil pagar e receber valores com moedas digitais. O 12º Congresso de Inovação do Poder Judiciário contou com a participação de mais de 400 pessoas do setor e foi realizado em Brasília no Hotel Royal Tulip.

Comentários

VEJA TAMBÉM...