Tecnologia

Confiança, palavra que move a tecnologia blockchain

Confiança, palavra que move a tecnologia blockchain


Trubr realiza evento sobre Blockchain em São Paulo - Trubr

O suíço Daniel Gasteiger, CEO e fundador da Procivis, é um estudioso e entusiasta da tecnologia blockchain. Para ele, o uso está muito além de transações utilizando bitcoins. Daniel acredita, por exemplo, na modernização do Estado através do uso de blockchains por parte dos governos. "Se uma pessoa provar sua identidade através do aplicativo e-Id, este é validado uma vez pelo Estado e depois serve como uma identidade verificada, ou seja, uma identidade no celular.

Daniel está no Brasil para apresentar a tecnologia ao governo brasileiro e participar de um evento em São Paulo lançando a solução blockchain. Depois, seguirá para outros países como Japão e Estados Unidos. Aqui, ele é parceiro da Trubr, pioneira no uso e aplicação de blockchain no Brasil.

Edelweis Ritt, uma das sócias da empresa foi quem conheceu Daniel no começo do ano passado. De lá para cá os contatos ficaram mais frequentes até que surgiu a parceria com a TRUbr. Edelweiss, formada em Informática pela PUCRS, diz que o blockchain é relativamente novo, mas acredita que a tecnologia se consolidará em breve em vários setores. Além de Edelweis, a TUbr é coordenada por Aline Deparis e Marison Souza.

Sobre a segurança da tecnologia, Daniel é categórico ao afirmar que a proteção está assegurada primeiro pela criptografia utilizada e também pela razão do registro do dado, da transação não ficar em apenas um local, mas ser distribuído para uma cadeia de computadores que utilizam o blockchain. Assim caso alguém tente entrar e modificar esta informação no computador, ela automaticamente estará fora da blockchain.

Mas, afinal, o que é o blockchain? A tecnologia blockchain, também conhecida como cadeia de blocos, na sua essência é um sistema para enviar informações que permite a validação de um registro ou de uma transação sem a necessidade de um intermediário. Em blockchain não existe alteração dos dados e sim registro de transações.

Gasteiger trabalhou em serviços financeiros por muitos anos, daí deriva sua familiridade com o sistema financeiro, mas ele, aos poucos, em contatos com outras empresas foi ampliando o leque do blockchain. Para ele, em breve, os cidadãos poderão fazer uso de serviços ligados ao Estado digitalmente. É o Estado no bolso do celular. Para isso, a base é confiança, termo que rege as transações através de blockchain.

A tecnologia blockchain ficou conhecida por seu uso nas moedas virtuais, como a bitcoin. A tecnologia também está a serviço de bancos e empresas privadas que precisam de soluções rápidas e seguras.

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...